28 de jan de 2011

DIA MUNDIAL DAS MISSÕES 2011.

Foi publicada na última quarta-feira, dia 26 de janeiro, a mensagem do papa Bento XVI para o Dia Mundial das Missões 2011, que se realizará no dia 23 de outubro.
O papa reitera na mensagem que a evangelização é uma dimensão essencial da Igreja e uma tarefa urgente hoje, pois a secularização faz com que muitas pessoas vivam como se Deus não existisse.
"O Evangelho não é uma propriedade exclusiva de quem o recebeu, mas um dom a ser partilhado e comunicado", sublinha o papa, reiterando que todo batizado é chamado a levar a todos a Boa Nova do Evangelho.
Bento XVI ressalta que aumenta o número de pessoas que, tendo recebido o anúncio do Evangelho, o esqueceram e abandonaram. "Está em andamento uma mudança cultural, alimentada pela globalização e pelo relativismo, uma mudança que leva a um estilo de vida que exclui a mensagem do Evangelho e exalta a busca do bem-estar, do dinheiro fácil, da carreira e do sucesso como objetivo de vida, mesmo em detrimento dos valores morais", disse.
O Santo Padre convida os fiéis a responderem à vocação missionária, resposta esta essencial para a vida da Igreja. "A obra evangelizadora é essencial para a Igreja e não pode ser considerada simplesmente como uma das várias atividades pastorais".
Referindo-se a Paulo VI, a mensagem ressalta que a animação missionária dá uma atenção particular à
solidariedade. "É inaceitável que a evangelização transcure as questões relativas à promoção humana, justiça e libertação de todas as formas de opressão, obviamente, respeitando a autonomia da esfera política. Ignorar os problemas temporais da humanidade significa esquecer a lição que vem do Evangelho sobre o amor ao próximo que está sofrendo", frisa Bento XVI.
O Dia Mundial das Missões "é um chamado a revigorar em cada pessoa o desejo e a alegria de ir ao encontro da humanidade levando a todos, Cristo", conclui a mensagem.
CNBB/RV

19 de jan de 2011

O PAÍS DOS POÇOS.

Era o país dos poços. Qualquer visitante que chegasse, enxergaria somente poços grandes, pequenos, feios, lindos, ricos e pobres. Os poços falavam entre si, mas à distância, porque havia terra seca entre um poço e outro. Na realidade, quem falava era a boca do poço, ao nível da terra, e como a boca era oca, o poço dava a sensação de vazio, angústia, criando eco.
Havia poços com bocas muito largas, permitindo receber um monte de coisas inúteis. Quando estas passavam de moda, era só mudar para outras, também inúteis e passageiras. E as bocas continuavam vazias, ressequidas e sedentas, bem como a terra ao seu redor.
No fundo, o poço não estava contente.
E por falar em fundo, a maioria dos poços, entre as frestas deixadas pelas coisas, permitia de vez em quando sentir entre os dedos algo diferente. Eram momentos em que percebiam água no fundo. Diante desta sensação tão rara, alguns até sentiam medo e procuravam evitar o contato com o fundo.
Outros, porque tinham coisas demais, abarrotavam a boca, esqueciam logo a sensação do profundo e se ocupavam novamente com a superfície.
Mas, nesta superfície, às vezes algum poço falava desta experiência diferente, até que houve um poço que, olhando bem para seu interior, entusiasmou-se e quis continuar. Como as coisas que abarrotavam sua boca o incomodavam, procurou libertar-se delas lançando-as corajosamente para longe. Então o silêncio chegou! Ele começou a ouvir o borbulhar da água lá no fundo e sentiu uma paz profunda, viva, duradoura, refrescante e salutar.
Este poço descobriu que a vida se encontra na profundidade de si mesmo e não na multidão de coisas que se acumulam em sua boca. E se tornava mais poço quanto mais profundidade tinha!
Feliz com a descoberta procurou tirar água do seu interior. A água, ao sair, refrescou a terra seca ao seu redor que se tornou fértil e boa. E as flores começaram a brotar.
A notícia se espalhou e as reações foram diversas. Uns se mostraram incrédulos, outros sentiram o impulso por também fazer a experiência do profundo de si mesmo, mas muitos desprezaram a novidade, muito difícil.
Era mais fácil deixar tudo como estava.
Sem dúvidas, alguns resolveram fazer a experiência e começaram a libertar-se dos objetos inúteis que abarrotavam sua boca. Igualmente encontraram água em seu interior. A partir de então, as surpresas aconteceram. Por mais água que se retirasse para regar ao redor, o poço não se esvaziava!
E aprofundando ainda mais, descobriram que eles estavam unidos entre si por algo em comum: a água era a mesma!
E começou uma comunicação profunda porque as paredes dos poços deixaram de ser limites.
Mas, a descoberta mais sensacional, veio depois. A água que lhes dava a vida vinha de um mesmo lugar: o manancial. O manancial estava bastante longe, na montanha que dominava o País dos Poços. Lá estava ela, majestosa, serena, pacífica! E com o segredo da vida em seu interior! A montanha estava sempre lá. Algumas vezes visível entre as nuvens, outras vezes radiante de esplendor.
O manancial não havia sido descoberto antes porque os poços preocupavam-se apenas com sua superfície. A partir da nova descoberta, esforçavam-se por aumentar seu interior, crescendo em profundidade, para que o manancial chegasse mais facilmente a eles. A água que retiravam deles tornou a terra mais bela! Enquanto isso, lá fora, os que não faziam a experiência do profundo continuaram a aumentar sua boca, procurando futilidades.
(Adaptado de "Convivência Cristã", de A. Botana e traduzido por Irmão Silvino Fritzen, FSC)

PARA REFLETIR:
Com qual poço você se identifica hoje?
Você dá mais importância ao superficial, ao passageiro, ou ocupa-se também de buscar a Verdade na profundidade do seu ser?
Tenha coragem de mudar no que for preciso! Não se ocupe tanto das futilidades do dia-a-dia. Arrume tempo para sentir o borbulhar das águas do Manancial da Salvação que quer brotar em você. Não caia na armadilha de brincar de ser cristão, participando das Missas até, mas vivendo a injustiça no seu dia-a-dia. Muitas vezes se cai nessa armadilha sem preceber! Cuidado!
O seu “eu atual” provavelmente não seja o seu “eu ideal”, pois se o fosse você já estaria pronto. E ninguém está pronto, mas em constante processo de crescimento e aperfeiçoamento. Ser tentado a pecar não é pecado. Pecado é ceder à tentação. E você sabe que não se peca apenas por palavras e atos, mas também por pensamentos e omissões. Até Jesus sofreu com as tentações, pois mesmo sendo Divino, era também humano, mas não cedeu. E nós, que muitas vezes caímos, temos sempre a Mão de Deus estendida a nós chamando-nos de volta.
Portanto, não se acomode pensando que é melhor deixar tudo como está porque é mais fácil assim. Pode ser mais fácil agora, mas lembre-se que o caminho para o Pai é o da porta estreita. Jesus não nos oferece a facilidade, mas a Salvação!
Busque o borbulhar da Água Viva na profundidade do seu ser e permita que Ela complete todo o seu interior. Partilhe a Água do Manancial da Salvação! Deixe que a Água Viva que vem do Manancial da Salvação brote em você, transforme você e, através de você, chegue a muitos irmãos. Só deixar que a Água do Manancial da Salvação brote em você não é o suficiente. Não queira se salvar sozinho, pois essa postura não salva ninguém.
Quanto mais Água Viva você partilhar com os irmãos, mais Ela brotará em você. Seja um canal da Graça de Deus! Seja uma ponte entre os irmãos e Deus! Seja um aqueduto que leva a Água do Manancial da Salvação aos que têm sede! Seja, assim, realmente feliz!

18 de jan de 2011

Planeta Água.

QUE O HOMEM NÃO INSISTA EM OCUPAR O LUGAR QUE É DA NATUREZA PARA QUE A ÁGUA SEJA SÓ BENÇÃO E NÃO FONTE DE TRAGÉDIAS!

14 de jan de 2011

13/01/2011 - MULHER É RESGATADA POR VIZINHOS DURANTE ENCHENTE.


Imagem impressionante, chocante e comovente! Certamente, Deus estava lá naquele momento dramático para dar força e coragem para essa mulher e para as pessoas que a resgataram. Mas Deus está presente também nos corações dos que não tiveram a possibilidade de resgatar seus parentes e amigos que acabaram sendo levados pelas águas ou soterrados pelos deslizamentos. Rezemos pelas almas dos que se foram e para que Deus console os corações dos que perderam seus entes queridos e não nos esqueçamos de ajudar nossos irmãos que passam por esse momento tão difícil.

13 de jan de 2011

CNBB DIVULGA NOTA DE SOLIDARIEDADE ÀS VÍTIMAS DAS CHUVAS E LANÇA A CAMPANHA SOS SUDESTE.

Foto: Bruno Domingues/Reuters

“Somos afligidos de todos os lados, mas não vencidos pela angústia; postos em apuros, mas não desesperançados; derrubados, mas não aniquilados” (2Cor 4,8-9).
O Brasil acompanha com dor, mais uma vez, as tragédias causadas pelas chuvas em vários estados do país, neste início de ano, de maneira especial, na região serrana do estado do Rio de Janeiro, Sul de Minas, Espírito Santo e São Paulo. Causa-nos tristeza profunda o crescente número de mortos, bem como dos desabrigados que perderam seus entes queridos e assistiram à destruição inclemente de suas casas e de seus bens.
Às vítimas desta dramática situação a CNBB vem manifestar sua solidariedade, ao mesmo tempo em que conclama a sociedade brasileira a intensificar suas doações, a fim de aliviar a dor e reavivar a esperança na certeza da superação de tamanha tragédia. Este gesto será facilitado com a campanha SOS SUDESTE, que a CNBB, juntamente com a Cáritas Brasileira, acaba de lançar apresentando a Conta 1490-8, Agência 1041 - OP. 003 – Caixa Econômica Federal e também a Conta 32.000-5, Agência 3475-4, Banco do Brasil, para doações.
Muitas destas tragédias poderiam ser evitadas ou, pelo menos, minimizadas se ações preventivas fossem tomadas, considerando o histórico de regiões que, ano após ano, vivem o mesmo drama. A CNBB confia, portanto, que as autoridades competentes se comprometam eficazmente na busca de solução para que catástrofes como estas a que assistimos não se repitam, vitimando milhares de pessoas.
Elevamos a Deus nossas preces pelos que morreram e por todos que sofrem com esta tragédia. Que Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, venha em socorro de seus filhos e filhas.

Brasília, 13 de janeiro de 2011

Dom Geraldo Lyrio Rocha
Arcebispo de Mariana
Presidente da CNBB

Dom Luiz Soares Vieira
Arcebispo de Manaus
Vice-presidente da CNBB

Dom Dimas Lara Barbosa
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro
Secretário Geral da CNBB
Fonte: CNBB

7 de jan de 2011

SAGRADA ESCRITURA, O CAMINHO DA VIDA! JANEIRO, MÊS DO BATISMO DE JESUS.

A justiça vai ser realizada. Jesus foi da Galiléia para o rio Jordão, a fim de se encontrar com João, e ser batizado por ele. Mas João procurava impedi-lo, dizendo: “Sou eu que devo ser batizado por ti, e tu vens a mim?” Jesus, porém, lhe respondeu: “Por enquanto deixe como está! Porque devemos cumprir toda a justiça.” E João concordou.
Depois de ser batizado, Jesus logo saiu da água. Então o céu se abriu, e Jesus viu o Espírito de Deus, descendo como pomba e pousando sobre ele. E do céu veio uma voz, dizendo: “Este é o meu Filho amado, que muito me agrada.” (Mt 3, 13-17)
Neste Evangelho, as primeiras palavras de Jesus apresentam o programa de toda a sua vida e ação: cumprir toda a justiça, isto é, realizar plenamente a vontade de Deus e seu projeto salvador.
Fonte: Bíblia Sagrada Edição Pastoral